Em assembleia realizada no dia 11 de agosto (quarta-feira), foi aprovada a adesão da categoria para participar da paralização que será realizada no dia 18 de agosto, próxima quarta-feira.

Tadeu Loibel, presidente em exercício ressalta que isso significa que existe o respaldo da categoria para participar a paralisação. Além de expressar sua preocupação com a ausência de interesse pela pauta principal da mobilização, a Reforma Administrativa. Destaca alguns desdobramentos negativos que vão impactar os servidores públicos se a PEC 32 for aprovada.

Algumas das características desse projeto:

• Afetará os atuais servidores e servidoras (apesar de ser ainda pior para os que ainda entrarão, tipo aquele sobrinho ou a irmã que estudam que nem loucos para passar em um concurso).
• Não afetará aqueles que tem grandes privilégios (o marajá é você mesmo).
• Abre espaço para indicações políticas na escolha das chefias.
• A médio prazo, coloca em xeque a nossa própria existência como Campus e até como instituição.

A ideia não é moralizar e sim precarizar o serviço público para depois entregar para a iniciativa privada. O resultado é bastante previsível: excesso de tarefas, baixo salário, assédio onipresente e qualidade duvidosa.
Defender o serviço público é mais do que lutar pelo próprio emprego, é, na verdade, trabalhar em prol do futuro do Brasil e dos interesses populares.

 

Confira abaixo o comunicado oficial da Diretoria do SINASFE|MS