O Comitê de Defesa Popular de Dourados, Fórum de Sindicatos e Movimentos Sociais, encerrou mais uma edição da Campanha Solidariedade e Luta. Entre os meses de maio de junho foram doadas mais de 250 cestas de alimentos, incluindo cestas básicas e cestas de produtos agroecológicos.

Nesta edição da campanha foram arrecadados mais de 30 mil reais em recursos, entre doações recebidas de entidades sindicais, de pessoas físicas e também de alimentos não perecíveis. A mobilização dessas doações permitiu que cerca de 100 famílias recebessem uma cesta básica e uma cesta agroecológica cada e outras 153 famílias recebessem uma cesta básica cada.

As entregas ocorreram no dia 01 de maio, assim como durante todo o mês de junho, com destaque para o dia 26 de junho, quando junto às cestas básicas foram adicionados os produtos agroecológicos produzidos pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). Na parceria com o MST, para cada cesta adquirida, o movimento doou outra. E além das famílias que receberam os alimentos, a campanha também apoiou as famílias dos produtores rurais que tiram seu sustento da terra e se organizam no MST.

Os alimentos da campanha atenderam famílias nas comunidades indígenas, aldeias urbanas e áreas de retomada, assim como na Comunidade Vitória e nos bairros Jóquei Clube, Vila São Brás, Jardim Água Boa, entre outros. A entrega foi feita por voluntários e voluntárias, integrantes das diretorias das entidades e militantes sociais que se organizaram em mutirões de entrega.

Entre os sindicatos que contribuíram com doações estão a ADUF Dourados (Associação dos Docentes da Universidade Federal da Grande Dourados), o ANDES-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), o SINASEFE/MS (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Profissional,) o SIMTED Dourados (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação), o SINTEF (Sindicato dos Trabalhadores em Educação nas Instituições Federais), o SINDJUFE/MS (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal em Mato Grosso do Sul), a FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), o Sindicato dos Bancários de Dourados e Região e a ADUEMS (Associação dos Docentes da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul).

Para além das ações de solidariedade, o Comitê de Defesa Popular segue defendendo o retorno do Auxílio Emergencial de R$ 600, que foi diminuído pelo Governo Federal. Assim como, defende que a Câmara Municipal e a Prefeitura de Dourados criem uma renda mínima municipal para atender às famílias em situação de vulnerabilidade.

Foto: Campanha de solidariedade e luta