As organizações que compõem o Comitê, entidades sindicais e movimentos sociais, propõem acionar uma rede de solidariedade para apoiar famílias em situação de vulnerabilidade.

 

No lançamento da segunda edição da campanha Solidariedade e Luta, o Comitê de Defesa Popular de Dourados acredita que “o agravamento da pandemia, somado à diminuição do auxílio emergencial pelo Governo Federal e a demora na vacinação, tem levado o Brasil a uma situação de verdadeira calamidade.”

Os alimentos e recursos arrecadados pela campanha do Comitê serão utilizados para a compra de cestas básicas e direcionados a famílias em situação de vulnerabilidade. Na primeira edição da ação, de março a junho de 2020, o Comitê arrecadou mais de 10 mil reais e entregou mais de 360 cestas básicas a famílias douradenses.

 

A fome

Pesquisa divulgada recentemente e realizada entre outubro e dezembro de 2020 mostra que mais de 116 milhões de brasileiros conviveram com algum grau de insegurança alimentar naquele período. O número dos que chegaram a passar fome chega a 19 milhões, segundo o estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania Alimentar e Nutricional. Este cenário é fruto do aprofundamento da crise econômica, do desemprego, da diminuição da renda das famílias, da alta nos preços dos alimentos e da ausência de um auxílio financeiro suficiente para as famílias.

 

Foto da arrecadação em 2020.

Como participar

Para contribuir com a campanha, é possível doar através de uma vaquinha online[1] ou por meio de transferência bancária (PIX). Aqueles que preferirem, podem doar alimentos não perecíveis nos pontos de coleta: SIMTED Dourados (R. Maria da Glória, 670, Vila Industrial) de segunda a sexta, das 07h30 às 11h e das 13h às 17h; e Sindicato dos Bancários (Rua Olinda Pires de Almeida, 2450) de segunda a sexta, das 07h30 às 11h30 e das 13h às 17h30.

 

Para além da solidariedade

Além da campanha de arrecadação, o Comitê propõe a criação de uma Renda Mínima em Dourados que possa cobrir dignamente as necessidades alimentares de todas as famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade. Programas semelhantes estão sendo implantados em outras cidades brasileiras e cumprem função importante de atenuar as vulnerabilidades socioeconômicas. Para isso, o movimento está reunindo assinaturas em um abaixo-assinado. O documento, direcionado à Câmara Municipal e à Prefeitura de Dourados, já tem mais de 700 apoios e pode ser acessado aqui[2].


[1] https://apoia.se/comitedourados

[2] http://chng.it/HrZgJyy4qz