Lugar de Mulher é na Luta Sindical!
Ismene Mendes (1956-1985)

Ismene Mendes nasceu no dia 29 de janeiro de 1956, na zona rural de Patrocínio (MG), filha de trabalhadores rurais, seu pai era sindicalista e ela sempre o acompanhou nas atividades do movimento. Ajudou a fundar o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Patrocínio em 1979. Mudou-se para Uberlândia para estudar Direito e quando concluiu, retornou à Patrocínio e se tornou assessora jurídica do sindicato.

Ismene era considerada por todos a sua volta como uma pessoa honesta, corajosa e com senso de justiça. Por isso, não mediram esforços para defender os direitos dos trabalhadores. Os moradores da cidade chegaram a acreditar que ela era algum tipo de “advogada remunerada pelo governo” porque sempre estava à disposição para auxiliar em seus problemas. Em 1982 foi eleita vereadora em Patrocínio pelo MDB, embora não acreditasse que essa era sua vocação, o fez porque foi convencida e incentivada pelos companheiros de luta.

Ismene atuou durante os anos da Ditadura Civil-militar e era constantemente ameaçada. Em 1985 foi levada para uma emboscada, rendida por homens encapuzados, foi espancada e abusada. Ela denunciou a agressão mas foi desacreditada pelas autoridades e acusada de simular seu próprio espancamento e estupro. Em 23 de outubro de 1985, segundo o inquérito da época, Ismene foi encontrada pelo seu patrão agonizando depois de ter cortado os pulsos e ingerido veneno. Foi construída uma narrativa de que ela tinha problemas que a atormentavam e por isso se suicidou. A família e conhecidos nunca acreditaram nisso. A verdade sobre a perseguição e assassinato político de Ismene só foi estabelecida em 2018, a partir de relatório da Comissão Regional da Verdade do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba que, inclusive, foi batizada com o seu nome.