O SINASEFE – MS, em parceria com o Instituto Cultiva*, está realizando uma pesquisa junto aos servidores e servidoras do IFMS e Colégio Militar. O objetivo é colher informações e opiniões sobre o trabalho na pandemia e também sobre a ação do próprio sindicato e de sua diretoria. A participação é muito importante para que se possa compreender de forma séria e honesta a situação que envolve a crise sanitária e as atividades não presenciais em um contexto político hostil aos trabalhadores e trabalhadoras do serviço público brasileiro.

É importante ressaltar que o questionário está aberto a todos e todas da Rede Federal de Educação Básica, Profissional e Tecnológica em Mato Grosso do Sul, e não apenas para os filiados ao SINASEFE|MS.

Para que você entenda melhor os objetivos da pesquisa, convidamos para uma entrevista o cientista social Rudá Ricci, que é o presidente do Instituto Cultiva. Rudá Ricci é Mestre em Ciência Política e doutor em Ciências Sociais. Condecorado com a medalha do Grande Mérito Educacional de Minas Gerais, ex-consultor da ONU e avaliador de projetos de desenvolvimento territorial financiados pelo Banco Mundial. É o coordenador nacional da Economia de Francisco e do Pacto Educativo Global, projetos do Papa Francisco.

 

O que é o Instituto Cultiva?

O Instituto Cultiva é uma ONG que foi criada em 2002 por educadores sociólogos e jornalistas que tem em primeiro lugar um foco na educação, não qualquer educação uma educação freireana, baseada em Paulo Freitas, que tem como objetivo construção da autonomia das pessoas e o engajamento social para mudança do pais o que a gente chama onde educação para a cidadania e nós temos o segundo foco que se cruza com esse que são, formas, instrumentos e métodos de gestão participativa ou seja a atuação dos cidadãos através das suas organizações em grupos ou individuais na tomada de decisão de políticas públicas, seja em conselhos em orçamento participativo e assim por diante. Então quando a gente todos os dois a gente acaba criando também programas de formação sindical para aumentar a capacidade de entendimento e participação da base sindical na mudança e melhoria das condições de vida de trabalho e a formação de conselheiros, formação de lideranças de bairro de jovens. O instituto Cultiva acaba de ganhar alguns prémios o último foi da UNESCO como melhor experiência de educação pública do brasil e ficou listados entre as 16 melhores experiências do mundo.

Qual a importância de os servidores participarem da pesquisa?

Já passou o momento em que o servidor público conseguia fazer carreira estável e segura a partir da prestação de um concurso para ingresso no Estado, hoje, as reformas administrativas, as mudanças e disputas que nós temos sobre os fundos públicos, colocam em pauta a proposta de um Estado mínimo. E o que é essa proposta de Estado mínimo? Na verdade, são os empresários tentando diminuir os gastos em serviços sociais, de modo que sobre mais dinheiro a ser canalizado para esses grupos já privilegiados. Não se trata, evidentemente, de uma diminuição de impostos, mesmo porque, 58% dos impostos no Brasil são pagos por quem recebe até 2 salários mínimos. O Brasil é o 2° país do mundo, segundo o Banco Mundial, a gente só perde para Rússia, em sonegação de impostos, onde os empresários e ricos sonegam a soma de 13% do PIB do Brasil. Caso esses segmentos pagassem os impostos devidos, não precisaríamos de uma reforma da previdência e nem da atual reforma administrativa, quer dizer, não existiriam nem justificativas e nem argumentos para essas propostas. O que nós temos que entender é que há uma disputa política pelo orçamento público, que o problema dos país não são os servidores, afinal o Brasil é o país que têm o menor número de funcionários públicos por mil habitantes. Entendo que os servidores precisam compreender quais são as condições de trabalho em que estão inseridos, principalmente na pandemia, para que ele possa entender que não se trata de uma situação individual, e nem só da sua unidade de trabalho, mas que essa é uma condição que envolve todas as categorias. Se essa identificação coletiva for forjada fica muito mais fácil da categoria se fortalecer, porque enquanto as pessoas acreditarem que seu futuro se faz a partir do seu trabalho individual, elas vão patinar, uma vez que a condição de trabalho é a mesma que envolve todo o restante da categoria. Desse modo, ela pode se fortalecer numa luta comum e aí todos nós sabemos que quando as pessoas se unem, têm muito mais força para resistir aos retrocessos impostos pelo atual governo.

Vocês já fizeram parcerias com outros sindicatos? As expectativas foram alcançadas?

Sim. O Instituto Cultiva tem uma área específica de atendimento, de assessoria e consultoria para sindicatos. Nós somos consultores há12 anos, agora em fevereiro já vamos para 13 anos, e temos como parceiros: o SINESP (Sindicato dos Especialistas de Educação do Ensino Público Municipal de São Paulo). Nós somos consultores há 10 anos do maior sindicato de trabalhadores aqui de Minas Gerais que é o Sind-UTE (sindicato dos professores da rede estadual de Minas Gerais). Nós fomos consultores do SINDIRECEITA, do Unafisco, agora SindFisco (Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil). Também já prestamos consultorias para os sindicatos de servidores do Ministério Público Federal e somos consultores do ATENS (Sindicato dos Técnicos de Nível Superior das IFES do Brasil). Esses são alguns dos sindicatos que já prestamos serviços, só para citar algumas experiências. Nós estamos obtendo resultado porque nossa linha de atuação é, primeiro fazer uma pesquisa, coletar dados quantitativos e qualitativos, como é o caso dessa pesquisa que nós vamos fazer em parceria com vocês do SINASEFE|MS, esse trabalho ajuda as direções a tomarem decisões, em primeiro lugar, embasadas numa leitura mais técnica e, em segundo lugar, que consigam dialogar com as expectativas e com a realidade do dia a dia da sua base.

Nós construímos também as Escolas Sindicais, cuja finalidade é que o próprio sindicato tenha uma equipe de formadores, com um programa permanente para dar formação sindical para a base e para as direções. O nosso esforço é, para além de ofertar uma nova forma de construir leituras sobre o que acontecendo na categoria, até uma pauta de negociação, nós também nos esforçamos para construir autonomia, por isso investimos na Escola Sindical do próprio sindicato, para que ele tenha uma estrutura e uma equipe permanente para ofertar formação e capacitação.

Nós também trabalhamos muito comunicação Sindical e trabalhamos com análise de conjuntura e estamos ultimamente assessorando nas reuniões, congressos e plenárias virtuais que o movimento sindical de trabalhadores do Brasil não tinha muito conhecimento e nós estamos auxiliando a realizar esses eventos à distância, que, inclusive, num momento de pandemia é essencial, além do fato de que os custos são muito menos que as atividades presenciais,  fato relevante num momento em que a reforma trabalhista diminuiu tanto os recursos dos sindicatos.

Qual a metodologia de análise das respostas?

Então essa pesquisa que nós vamos fazer, ela se dá a partir de um formulário de um questionário eletrônico que o servidor vai receber o link e vai responder, são poucas questões e que devem duram em torno de 15 minutos para responder. A partir do momento em que ele clicar no botão para finalizar esses dados vão para um servidor e um programa na nuvem já todos transformados em gráficos e tabelas, então nós vamos analisar essas respostas, tentar cruzar situações, seja de servidor da área técnica seja docente, nós vamos cruzar unidades para tentar identificar características especificas de maneira cientifica e vamos reportar isso enquanto seminários, como o sindicato preferir, seja com a base ou a diretoria, para que a gente possa checar se esses dados da pesquisa tem ressonância junto a todos os profissionais da base do SINASEFE|MS e também aproveitar para, em cima dessa apresentação, se discutir alternativas e soluções que contemplem mais a valorização não só da carreira, mas também da profissão, no sentido de atender melhor os estudantes, principalmente os mais carentes.

Participem, respondam a pesquisa e compartilhem com os colegas incentivando cada vez mais a participação nesse projeto que terá maior relevância se a maioria participar.

 

Acesse: sinasefems.org/pesquisa/

E participe!

 

*O Instituto Cultiva é uma ONG fundada em 2002, cujo foco é a educação a cidadania e participação social. Trabalhamos com programas de formação de professores (presencial ou EAD), relação família-escola, elaboração de matriz curricular municipal e estadual, avaliação e currículo e formação para a cidadania (adolescentes e adultos, conselheiros e lideranças sociais). Em janeiro de 2017, nosso programa Comunidades Educadoras foi destacado pela UNESCO como uma das 16 experiências mais exitosas do mundo.

O Instituto Cultiva também atua na área de Gestão Pública, desenvolve programas em reforma administrativa, gestão em rede (a partir de avaliações periódicas por censo nos municípios), elaboração de projetos estratégicos e monitoramento de resultados, elaboração e assessoria às câmaras municipais, formação de gestores e de parlamentares.

O Instituto Cultiva também na área sindical, com assessoria na área de formação sindical (cursos presenciais ou EAD e instalação de escolas sindicais), análise de conjuntura e pesquisa sobre condições de trabalho da categoria e práticas antissindicais. (Divulgação site oficial)

Quer saber mais sobre o Instituto Cultiva? Clique aqui!

Quem Somos